Relacionamentos não acontecem por acaso. É uma construção do dia a dia.

E nada mais certo do que essa afirmação. Não é de hoje que venho observando como os relacionamentos na nossa vida são difíceis. Não importa em que nível ou aspecto, não é simples se relacionar com outras pessoas ou grupos, sejam eles familiares, relacionamentos amorosos, pais e filhos, amigos, vizinhos e principalmente no ambiente de trabalho. Tem sempre alguém que nos incomoda, tira do sério, controla nosso estado emocional e acaba com nosso dia, às vezes. 

Será que é isso tudo mesmo ou eu estou exagerando?

Independente do nível ou origem do relacionamento, lidar com outras pessoas não é tão simples como parece, se é que parece simples. São modelos de mundo totalmente diferentes um dos outros, com percepções diferentes, pensamentos, sentimentos, sensações, diferentes conjuntos de crenças e valores, experiências vividas, decisões e memórias que somadas às percepções formam nossos panoramas mentais e aos quais atribuímos significados sobre as coisas que acontecem dentro e fora de nós e que nos levam a nos comunicar e agir como agimos.

Uma pergunta que costumo fazer nas palestras, cursos e workshops que ministro é a seguinte: se eu coloco um copo cheio de água pela metade em uma mesa, para você, ele está cheio ou vazio? As respostas são as mais diferentes possíveis. Para uns tá cheio, para outros na metade, para outros vazio e para outros ainda depende se estão com sede ou não. Essa brincadeira mostra como o mesmo fato é percebido de forma diferente para cada um de nós, e vai depender muito do nosso estado emocional e fisiológico.

Da mesma forma, interpretamos e atribuímos significados às atitudes, comportamentos e a forma de se comunicar das outras pessoas. Cada um interpreta e dá significado à sua própria interpretação da realidade e reage a essa interpretação e não ao fato ou situação que a criou. Ficou complicado? Então vamos simplificar: cada um tem o direito de pensar e agir do seu jeito em qualquer situação, mesmo que não concordemos. E como isso incomoda e provavelmente você, ao ler isso, não vai concordar pois temos leis, ética, respeito às normas e uma série de outras coisas que regem os relacionamentos nas empresas e nas sociedades. É verdade! è isso mesmo. Só que nem sempre isso basta para alguém performar ou se comportar, agir ou falar dentro das normas, etiquetas e regras. E como isso incomoda.

Trazendo para o nosso dia a dia, como incomoda a opinião do outro a respeito de alguma coisa, principalmente se não for igual à nossa. Como temos a vontade de fazer o outro entender que aquela forma de pensar não está certa, como se a nossa fosse dotada de um “Certificado de Verdade Incontestável”, como se o outro não tivesse direito à opinião própria e isso, além de prejudicar a comunicação, atrapalha fortemente os relacionamentos. Sabe onde isso acaba? Afetando os resultados, tanto na parte pessoal e familiar, como nossos resultados na empresa ou nos negócios.

” Não é o amor que sustenta o relacionamento, é a forma de se relacionar que sustenta o amor”

Independente do que você pensa, sente ou acha a respeito, bons relacionamentos acontecem quando a comunicação interpessoal é boa e se e se estendem para outros grupos e ambientes quando estamos dispostos a escutar e a compreender.

Vou deixar 5 dicas para você exercitar no seu dia a dia e que irão ajudar a melhorar seus relacionamentos. Depois me fala aqui!

#DICA 1 – CUIDE DO SEU ESTADO EMOCIONAL

Um bom relacionamento precisa de pelo menos 3 coisas: bom estado emocional, presença e conexão. Isso vai melhorar muito a nossa comunicação e consequentemente os relacionamentos. Antes de sair de casa, exercite-se, respire, medite ou faça alguma coisa que garanta que nada ou coisa nenhuma vai tirar de você o controle do seu estado emocional. Não vamos deixar de sentir as coisas, mas podemos atribuir significados diferentes quando estamos mais em paz, equilibrados e serenos. Ver sob outros aspectos é um grande exercício para melhorar relacionamentos.

#DICA 2: ESTEJA PRESENTE

Estar presente não é só estar na frente do outro com o corpo. É também estar de alma, prestando atenção no outro, no que ele diz, olhando nos olhos, dando seu tempo e atenção. Só isso vai mudar muito a resposta do outro em relação à você. Estar presente é dar atenção ao outro. Se naquele momento algo estiver impedindo você de dar essa atenção, um compromisso, trabalho, algo urgente, diga para o outro que naquele momento você não terá como dar a atenção que ele merece e explique o porque, falando com delicadeza, atenção e carinho. Se o outro não entender isso, bom, aí é um problema do outro. Mas de forma geral o outro entende sim.

#DICA 3: CRIE CONEXÃO COM O OUTRO

Criar conexão não é ir ao Happy Hour com a galera, mas também ajuda. Criar conexão é se interessar pelo outro, procurar saber como ele está, como pensa, como foi seu dia, como tem sido seu trabalho e os desafios que tem encontrado e como tem se sentido, é ser gentil, é usar dessa gentileza sem esperar nada em troca, é fazer simplesmente pelo fato de que você gostaria que fizesse com você, simplesmente pelo prazer de fazer. E se o outro não gostar? Se você estiver presente, com escuta ativa, prestando atenção, provavelmente vai perceber se o outro gosta ou não.

#DICA 4: EXERCITE SUA PACIÊNCIA

Como falei lá em cima no artigo, lidar com gente não é tarefa simples. São mundos e universos dentro de outro mundo e em contato com diferentes outros mundos. É preciso exercitar e desenvolver nossa quota de paciência e só desenvolvemos paciência estando em contato com quem nos “tira a paciência”. Só desenvolvemos os músculos exercitando-os, só chegamos a maestria fazendo e com a paciência não é diferente. Quando somos pacientes com o outro ele percebe e isso gera e reforça a conexão. Uma forma de desenvolvê-la é estando mais presente. Uma coisa leva à outra.

#DICA 5: NÃO FAÇA AO OUTRO O QUE NÃO GOSTARIA QUE FIZESSEM COM VOCÊ.

Essa é a regra de ouro dos relacionamentos. Nada mais antigo nem mais certo do que essa afirmação do Evangelho de Jesus, presente na Bíblia e em um monte de outros textos religiosos ou não. Se não serve pra mim, se não gosto, provavelmente não servirá para o outro. Se você gosta de atenção, de atenção ao outro, se você gosta que o outro pare para te escutar, para escutar o outro, se você não gosta de ser interrompido nem ter seu tempo gasto pelo outro, não interrompa nem gaste o tempo do outro e vai por aí afora. É simples de entender e difícil de executar. É um exercício e exercício necessita de prática.

Ao final desses exercícios diários você vai, com certeza, se sentir melhor e mais em paz e vai perceber que, à medida que melhora nos seus aspectos de comunicação, seus relacionamentos vão melhorar e seus resultados começarão a melhorar também. É sistêmico. É generativo.

E se por acaso precisar de uma ajuda, envie um email para mim – sergiolmontes@gmail.com ou chame no inbox do face e converse comigo.

Sergio Montes – Coach

0 respostas

Deixe um comentário!

Quer contribuir com a conversa?
Participe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *